29 de outubro de 2008

Nada+Nada = Algo

Gosto de Shakespeare e da cosmovisão do mundo que o transforma num autor transversal que reflecte verdades universais. Sei muitos versos de memória, pelo prazer com que associo a episódios do quotidiano. Há um verso do Rei Lear que me ocorre muitas vezes a propósito dos 'nadas' da vida. Trata-se a resposta que ele dá à filha Cordelia: Nada? De nada vem nada! (Tradução do original: Nothing? Nothing comes out of nothing!). Esta visão matematicamente é o 0+0=0.
Até ontem, acreditava que de nada vem mesmo nada, pois até a história da sopa da pedra começa com alguma coisa - a pedra!
Há quase dois meses comprei uma barraca velha que precisa de muitas obras para se tornar habitável. É um Work In Progress que ocupará a vida familiar durante uns dois anos (estimativa pessimista que eu não trabalho para as obras públicas). Na sequência da apresentação de projectos à Câmara fui confrontada com a evidência da casa não possuir uma coisa chamada "telas finais", por o casebre ser anterior a 1951. O meu espanto começou quando me disseram que tinha de pedir uma certidão à Câmara em conforme nada havia. E assim, paguei 14 euros para pedir a localização exacta da casa numa divisão da câmara, preenchi um papel noutra divisão que acompanhou o papel da localização, esperei uma semana e lá fui, ontem, a Setúbal, pagar 8 Euros para receber uma certidão que diz que não há nada!
Por isso Dear Will, pela primeira vez, as tuas palavras não se aplicaram: Ontem de nada saiu uma Certidão! E a quantidade de papéis preenchidos, gásoleo, dinheiro e tempo gasto para certificar o nada deixaram-me espantada e aturdida. Afinal esta é a magnífica era da desburocratização, onde simplex e nadex deviam ser sinónimos de sem papelex ...
Temo que outros aforismas venham a ser destronados pois a obra de remodelação ainda nem começou!

3 comentários:

Se Faz Favor disse...

Como presumo que o casebre seja no Alentejo, não me resta outra coisa que não desejar-te toda a sorte do mundo, pois bem vais precisar.

Cuga disse...

Não,em Vila Fresca de Azeitão, porque Alentejo já eu deito pelos olhos há 15 anos. E já agora, na câmara de Setúbal, apesar das burocracias tenho sido atendida de forma rápida e eficiente e, em certas divisões, têm internet para irmos consultar o mail enquanto esperamos...

Mak, o Mau disse...

Bem, sendo assim, não podes dizer que não custou nada tratar de tudo para estabelecer o nada.