19 de setembro de 2006

A Má Educação

Gostava de estar a falar do filme do Almodóvar, mas não, é apenas um desabafo ao começo do ano académico.

O país divide a sua atenção mediática, como se fosse um Borda d'Água, cíclico e temático:
Janeiro: É o mês da ressaca em que se fala do frio e das festas e de como a Primavera nunca mais chega e se gastou todo o nosso dinheiro e o dos Visa/ Unibanco / Mastercard / American “Berardo” Express/ Cofidis/ GE Money /Cetelem com o Natal e os Reis (viva a tradição espanhola).
Fevereiro: O Carnaval, o país irmão, um golpe de estado ali, uma guerra acolá, umas leis aprovadas na assembleia, uns relatórios do Banco Mundial que prometem definitivamente a retoma económica (fruto, em parte, das receitas ao consumo criadas pela época de saldos) mas nem precisavam de o fazer, pois está tudo a comprar peluches e corações para o Dia de São Valentim.

Março: O mês da Primavera e do resto do país começar a pensar nas pontes que vai fazer, agora que o tempo está melhor. E de comprar mais peluches e postais para o dia do Pai.

Abril: A Páscoa, que às vezes é em Março, e os ovinhos e as amêndoas e os folares e os presentinhos… Mais uma guerra, umas quantas chuvas inesperadas, quem sabe até um atentado, ou um novo ditador a florescer com a ajuda do amigo americano.

Maio: O mês das noivas, das flores e dessa Instituição que é o DIA DO TRABALHADOR (que devia ser rebaptizado como o dia anti-consumo, por tantas lojas fecharem: uma pessoa precisa de papel higiénico e tem de ir a uma bomba de gasolina com mini mercado) E o dia da mãe e os seus peluches e corações fofinhos...

Junho: O dia de Camões, de Portugal, das Festas Populares da reconciliação da sardinha com a cidade! Toca a comprar peluches para o dia da criança.
Julho: O mês da pausa antes do estio. Há coisas que já não se podem encomendar, por as férias estarem quase aí…Com sorte, se o calor aperta, um incêndio ou outro…

Agosto: Mês Oficial da Silly Season (Vide este e outros Blogues sobre o assunto)
Setembro: Regresso às aulas e o aniversário do 11 de Setembro. Se alguma vez o primeiro dia do ano escolar calhar a 11, os meios de comunicação vão ficar loucos, sem saber a que notícia dar mais importância. Isto se o Benfica não contratar um novo ponta de lança, ou se, entretanto, não se descobrir que o Valentim Loureiro chamou "querido" ao Pinto da Costa e afinal é gay.

Queria falar do começo do ano académico, mas já não consigo, apenas retenho a imagem de um debate televisivo, ontem à noite, na RTP 1, com uma jornalista mal educada, cheia de vontade de mostrar que fez o TPC, uns sindicatos perplexos, sem saber como objectar e uma ministra bem vestida, de encarnado escuro, com uma bela maquilhagem a condizer!

Os meses de Novembro e Dezembro ficam para outras especulações…

2 comentários:

POTS disse...

Então e Outubro? Não há presentinhos nem ditadores? Ora bolas, pá, já não se pode confiar nestes blogues para uma informação sem gralhas.

Cuga disse...

Pots:
The next post goes out to you!