14 de fevereiro de 2008

A Cidade às Avessas Trespassada por um Garfo de Cupido

Hoje por muito que se finjamos que somos anti-consumo que é só um dia, que já nem sabemos o que é namorar e que não é preciso um dia para o fazer, que todos os dias são dias dos namorados e de Natal e da mãe e da criança e do pai, eu sei que isso tudo é uma GRANDE mentira.E tenho provas!
Breve preâmbulo para vos dizer que gosto do São Valentim, por ser um santo pacifista e inteligente. Porque defendeu os namorados e acima de tudo salvou muitos homens de irem à guerra. São Valentim sabia que vale mais um casamento menos bom que uma guerra a sério! (embora conceda que certos casamentos sejam piores que ir para o Iraque...)
Ontem à noite, depois de ter feito um bolo o mais kitsch possível, em forma de coração cheio de corante encarnado, que saiu do forno como se estivesse em sangue e até algo assustador (Welcome to St Valentine Gore!) para a miss popularidade da casa levar para a escola, para alimentar os seus sete namorados (número místico, sem dúvida, mas excessivo), sentei-me a imaginar um serão, a dois, fora de casa.
Primeiro telefonema: Cop3 em Santos. Sim, têm mesa, mas estão com um menu degustação de S. Valentim, por 140 Euros, o casal.
(Por esse preço vou de avião jantar a Madrid!)
Já que estamos na comida de autor, vamos à 2a tentativa: Terreiro do Paço. Sim, têm mesa mas estão com um menu degustação de S. Valentim, por 170 Euros, o casal.
(Por esse preço vou de avião jantar a Paris!)
Desisto.
Hoje pela manhã fiz mais algumas tentativas: Gemelli, Olivier (restaurante e café), Vírgula, Luca, e Bica do Sapato (restaurante e café). Todos me respondem que estão lotados, menos o último que tem mesa a partir das 23h 30 (hora imprópria para uma baby sitter começar a trabalhar) Penso no Pragma que, mal por mal, já tem sempre menu de degustação caríssimo, mas a ideia de ir ao Parque das Nações jantar, ainda por cima ao Casino, incomoda-me (mais a carteira que a mente, é certo)
No final, arranjo duas hipóteses - O Aya Restaurante e outro.
Decido cancelar o Aya pois, por muito que adore a comida, custa-me ir ao Centro Comercial.
Fica o outro (cujo nome não partilho, já que não me pagam para fazer publicidade) mas que tem boa vista e boa comida.
Em suma, numa só manhã descobri que os Lisboetas levam o S. Valentim muito a sério, que os restaurantes vão facturar à grande e que deve haver por essa cidade fora sérios casos de overbooking de mesas!
Happy Valentine e não saia de casa sem o cartão de crédito, o único plástico que realmente interessa!

3 comentários:

Se Faz Favor disse...

Não me digas que vais ao restaurante Afreudite na EXPO?!...

Cuga disse...

SFF: O Afreudite tem um programa especial de noite dos namorados, servido no Santiago Alquimista. Para ir era necessário ter marcado ainda na pré-adolescência, antes mesmo de ter arranjado um namorado... Por estas bandas, com nome parecido (ainda que menos dado a psicanálises) só a loja 100%Afrodite que tem lingerie comestível...

Dora disse...

Muito sentido, muito verdadeiro, uma experiência que realmente prova que em Portugal gostamos de festas!
Por ter uma passagem idêntica, e por não suportar aquela simetria irritante de tudo aos parzinhos, a moda cá de casa assenta no take away de comidas exóticas e programa caseiro ;)
Tb partilho que ir à Expo jantar fora me incomóda, excepção que se aplicará quando a Miss Saigon passar a servir jantares ;)